Vacinas

FacebookTwitterWhatsAppPinterest

Hoje a única imunização obrigatória é a contra a febre amarela. No entanto, a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV Nacional) recomenda outras três vacinas: tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), dT (difteria e tétano) e hepatite B. Como morei na Colômbia em 2006, minha vacina contra a febre amarela ainda estava vigente quando iniciamos a viagem. Mas são tantas áreas de risco que decidimos tomar todas as demais disponíveis. Vi em alguns blogs viajantes que só tomaram a da febre amarela que é obrigatória. Mas aí vai de cada um… se eu posso prevenir, então porque não?

 

Vacina Tratamento Indicação  Valor por dose
Febre amarela 1 dose, validade de 10 anos Obrigatória em vários países. Deve ser tomada 10 dias antes do início da viagem. Ver lista de países aqui.  Grátis no SUS e também nos postos da ANVISA nos principais aeroportos
Triplice viral (sarampo, caxumba, rubeola) 1 dose, válido por toda a vida Não é obrigatória, mas é indicada para Europa, Asia, Americas. Tomar pelo menos 15 dias antes do início da viagem.  Grátis no SUS
Hepatite A 2 doses em um período de 6 meses, validade de 10 anos Recomendado para países em desenvolvimento com condições de higiene precária, pois a transmissão da doença pode ocorrer através da ingestão de água e alimentos contaminados. R$ 120*
Hepatite B 3 doses em um período de 6 meses, para a vida Alto risco – Sudeste da Ásia, China, ilhas do Pacífico, África ao sul do Saara e Alasca.  Grátis no SUS
Raiva 3 doses em um período de 1 mês, validade de 5 anos A raiva é transmitida por animais infectados, como por exemplo mordida de cachorro. Altamente recomendado para quem tem no roteiro Índia e Filipinas. R$ 120*
Difteria + Tétano 3 doses em um período de até 8 meses, validade de 10 anos O risco de aquisição de tétano existe em qualquer país do mundo, portanto é recomendado.  Grátis no SUS
Malária Há controvérsias sobre a vacina, mas existe medicação para prevenção A transmissão da doença ocorre em mais de 100 países. Verifique a lista neste linkO mais importante é usar repelente com pelo menos 20% DEET (Off!, Cutter, Sawyer e Ultrathon). Aplicar primeiro o protetor solar e depois o repelente
Febre Tifóide 1 dose, validade de 3 anos Recomendado para países com condições de higiene precária: Índia, Sudeste Asiático, África, América Central e América do Sul. R$ 80*
Gripe 1 dose, validade de 1 ano. Recomendável para qualquer destino.  Grátis no SUS
Encefalite Japonesa 3 doses, sendo que a última deve ser tomada 10 dias antes da partida, validade de 2 anos. Não há no Brasil Risco alto apenas quando a permanência é maior que 30 dias e a transmissão da doença é sazonal. De Maio a Setembro na China, Coréia, Japão e leste da Rússia e após a estação das chuvas no Sudeste Asiático e Índia.

*Valores podem variar. Consulta o centro de vacinação mais próximo.

Outras dicas importantes para cuidar da saúde do viajante:

  • Planeje seu roteiro e verifique os riscos de doenças em cada lugar que vai viajar. Esse post ajuda bastante a considerar a melhor época do ano de cada lugar para se viajar. Independente da época do ano, as vacinas são imprescindíveis (na minha opinião).
  • Para viagens longas, procure orientação médica especializada. No Rio de Janeiro, tem o Centro de Informação em Saúde para Viajantes. O site deles é http://www.cives.ufrj.br/. Em São Paulo tem o Instituto de Infectologia Emílio Ribas, site http://www.emilioribas.sp.gov.br/pacientes-e-acompanhantes/medicina-do-viajante/. Para as demais cidades, recomendo o site http://wwwnc.cdc.gov/travel/page/traveler-information-center. Tem várias dicas, inclusive de epidemias recentes.
  • Dependendo do destino e da duração da viagem, é importante levar um kit de primeiros socorros e também uma “farmacinha”. Peça a seu médico a receita de todos os medicamentos (com o princípio ativo). Já pensou ser confundido com traficante nas inspeções de alfândega?
  • Há como prevenir vários “probleminhas”, como a trombose venosa. Basta em viagens de avião de longa duração, levantar-se e esticar as pernas frequentemente.
  • Além das vacinas, fizemos uma revisão dentária antes da viagem. O que mais me motivou a isso foi pensar que eu poderia ter que tratar os dentes na Índia, à beira do Ganges… ;)
  • O maior risco de contaminação é por meio da água. Tome cuidado com os alimentos, já que na maioria das vezes são preparados com água. Água com gás é mais difícil de ser adulterada, então em lugares como Índia, é a escolha mais segura.

O que mais o viajante deve considerar no seu planejamento? Veja nesse outro post.